O Chile e a relação comercial com o Brasil

Em meio a recentes anúncios de novos laços comerciais entre o Brasil e o vizinho da América Latina, a Ravex anuncia a abertura do primeiro escritório fora do país

Assinado em novembro de 2018, o acordo de livre comércio do Brasil com o Chile busca impulsionar investimentos e a integração entre as duas nações, prevendo 24 áreas não tarifárias, como comércio de serviços, eletrônicos e medidas sanitárias e fitossanitárias. Na lista das medidas anunciadas pelos dois governos está inclusive o fim da tarifa de roaming internacional para dados de telefonia móvel. Com a medida, espera-se efeitos sobre o turismo e o empreendedorismo, entre outras áreas.

Segundo principal parceiro comercial do Brasil na América do Sul, o Chile perde apenas para a Argentina.  Até setembro de 2018, o intercâmbio comercial do Brasil com o governo chileno alcançou US$ 7,21 bilhões, o que representa aumento de 13% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Os produtos mais exportados pelo Brasil para o Chile são compostos por manufaturados, que representaram 57,8% das vendas, com destaque para tratores, autopeças, papel e cartão. Em seguida, com 40,1%, aparecem óleo bruto de petróleo e carnes. Na terceira posição estão os semimanufaturados, com 2,1%, como o farelo de soja. Os dados são de 2016, do relatório da balança comercial entre os dois países elaborado pelo Ministério das Relações Exteriores, o MRE.

Ainda de acordo com o mesmo documento, as importações feitas pelo Brasil do Chile são formadas primordialmente por produtos básicos. Em 2015, somaram 43,7% do total, itens como minérios, pescados e frutas. Os semimanufaturados, essencialmente o cobre, posicionaram-se em seguida, com 33,9%, e os manufaturados, com 22,4%, composto por bebidas, automóveis e produtos químicos.

Com o novo acordo de livre comércio, os governos dos dois países afirmaram que será reforçada a integração regional, já que o Chile é um dos membros da Aliança do Pacífico, bloco formado também por México, Colômbia e Peru; e o Brasil, por sua vez, lidera junto com a Argentina o Mercosul, tratado que engloba ainda o Paraguai e o Uruguai.

Embora o acordo tenha sido firmado antes da entrada de Jair Bolsonaro na presidência brasileira, Sebastián Piñera, o líder chileno, afirmou recentemente que almeja fortalecer os laços com o Brasil. Segundo o governante, o Chile tem interesse especial em segurança, agricultura, e na construção de um corredor bioceânico que sairia de um porto brasileiro, passaria por Paraguai e Argentina e chegaria ao Chile, dando acesso ao Pacífico.

Em meio a essa boa fase e parceria econômica firmada entre os dois países da América do Sul, a Ravex iniciará em breve as atividades da sua primeira filial fora do território brasileiro. Localizada no Chile, a nova unidade disponibilizará ao mercado chileno uma ampla gama dos serviços e equipamentos Ravex oferecidos no Brasil, como os hardwares e os softwares de gestão de logística e risco, os aplicativos para entrega e o teclado de bordo − ferramenta que registra todo o plano de viagem do transportador.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *